“Minha São Paulo Querida”

por Redação.

 
É o título do trabalho realizado pelo Fotógrafo Artístico, Sérgio Horn, há 150 m de altura, no primeiro semestre do ano, fotografando assuntos como o prédio Copán, em 180 graus, no primeiro plano, a Av. Ipiranga, o Edifício Itália, antigo Edifício Hilton, e ao    fundo a Av. Paulista.
 
Tudo isso, foi transformado em quadros de 70 x 1,10, 90 x 1,20m, 1.15 x 1.10, com moldura cacheta preta, paspatur de 7 cm em alto relevo e vidro antirreflexo, para se assemelhar muito perto de quadros de pintura. O vidro antirreflexo só existe para proteger a foto de poeira. Ele só é percebido pelo tato e não pela visão. Doze destas telas, realizadas com as melhores fotos tiradas, serão expostas em  individuais.
 
 
Estão sendo programadas varias  exposições, entre o final deste ano e o início do próximo ano. Entre as que estão sendo agendadas as datas, constam o auditório do SPTRANSP, ainda este ano,  primeira quinzena de dezembro e da Hebraica, após março, entre outros que estão sendo negociados.
Maiores informações com Sérgio Horn, pelos fones(11)2865-2616/ 2839-6314/7477/0775 | 98502-1337.

CLUB TRANSATLÂNTICO RECEBE A EXPOSIÇÃO FOTOGRÁFICA “POMERANOS DE JETIBÁ”

por redação.

A mostra apresenta uma perspectiva moderna da vida rural dos moradores da cidade de Santa Maria de Jetibá, localizada no Espírito Santo e fundada por descendentes diretos de alemães e poloneses que migraram para o Brasil no século XIX
 
 
O Foyer Cultural do Club Transatlântico recebe entre os dias 13 e 26 de novembro a exposição fotográfica “Pomeranos de Jetibá”, do fotógrafo fluminense Cesar Fraga. A mostra é dividida em cinco etapas e apresenta uma perspectiva moderna da vida rural dos moradores de Santa Maria de Jetibá/ES, que migraram da Pomerânia (antiga região da Alemanha e Polônia) para o Brasil no século XIX.
A exposição é resultado do projeto de um livro homônimo de fotografias, ainda a ser lançado. “A ideia é mostrar um pedaço do país aos brasileiros, em um livro contemplativo. Ao mesmo tempo, poder colocar de volta descendentes de alemães e poloneses em contato com um pedaço do seu passado”, comenta o fotógrafo.
Ao todo, serão 41 fotos coloridas expostas, sendo 40 no formato 60 x 60 cm e uma no formato 1,5 X 1,5m. As imagens trazem um retrato da riquíssima cultura pomerana da serra capixaba, com curadoria do artista plástico Clovis Aquino. 
 
 
 
A primeira parte do projeto enfoca a transição da Europa para o Brasil, conta um pouco sobre a história do povo e como eles migraram para cá. A segunda mostra um pouco sobre o município Santa Maria de Jetibá. A terceira aborda a cultura de forma geral, a dança, música e a festa Pomerana, que celebra a cultura local. A quarta é dedicada à vocação agrícola do povo pomerano. E na quinta, o autor-fotógrafo se dedica a mostrar a disciplina e a educação, que podem ser vistas principalmente na tradição do xadrez, que é curricular.
A Pomerânia era uma província da Prússia, formada por 93 ducados, território governado por um duque ou duquesa, que não passou pelo mesmo processo de modernização que a Alemanha e a Polônia, o que fez com que estruturas feudais agrícolas durassem por mais tempo. Diante da promessa de colonizadores, os pomeranos aportaram no Brasil e se instalaram em Santa Maria de Jetibá no Espirito Santo. O município é considerado o maior pólo avícola do Estado e segundo maior produtor de ovos do Brasil. Com natural vocação agrícola, superaram as promessas não cumpridas.
Exposição Fotográfica “Pomeranos de Jetibá”
De: 13 à 26 de Novembro | Segunda à Sexta-feira | das 9h às 22h
Vernissage: 13 de Novembro | Terça-feira | 20h
Local: Club Transatlântico | Foyer Cultural
Endereço: Rua José Guerra, 130 – Chácara Santo Antônio
· Todas as obras estarão à venda
Outras Informações: 2133-8606 ou O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.
Estacionamento no local: R$ 13,00 o período
 
 

Com linguagem inovadora, quadros de artista brasileiro unem arte, design e inovação

por Redação.

  

Obras com palavras e imagens de Jun Yokoyama, elaboradas em chapas de acrílico, são tema de artigo de Steven Heller, o maior autor de livros de cultura visual e design dos Estados Unidos

“Words to brighten a wall” ou “Palavras para iluminar uma parede” foi o título dado pelo colunista da The New York Times Book Review e ex-diretor de arte por 33 anos do jornal The New York Times, Steven Heller, para artigo em que aborda as obras do artista brasileiro Jun Yokoyama. Palavras e imagens em um jogo visual de descobertas surpreendentes, essa é a proposta dos quadros que têm como suporte chapas de acrílico, que são montadas na parede com separadores.
As 15 obras temáticas, em série limitada, compõem o que Jun denomina 3Decor (www.3decor.com.br): um conjunto de trabalhos que reúne arte-design-decoração em uma só linguagem. Essa proposta inusitada de expressão artística intrigou Steven Heller, autor e coautor de mais de 100 livros sobre arte e design, em matéria no site Imprint, da revista norte-americana Print, uma das mais importantes publicações sobre cultura visual e design do mundo, fundada em 1940.
Poesia visual
 
 
Jun exemplifica sua proposta com o quadro em homenagem ao poeta e contista Edgar Allan Poe: “A palavra ALONE (sozinho) representa a solidão do homem na metrópole, palco de tormentos e melancolia e de mistério e terror, que caracteriza os textos de Poe.
 
 
Já no quadro com impressão sobre chapa de acrílico transparente que remete ao escritor e poeta Guillaume Apollinaire, Jun homenageia o autor francês que usa a representação figurativa das palavras, incorporando à poesia uma disposição espacial plástica, como em IL PLEUT (Chove), em que os versos imitam uma chuva. No trabalho, as sete letras da palavra “Il Pleut” são usadas em sete cores, repetidas vezes, em forma gráfica descendente, como elementos gráficos e fonéticos, que formam um arco-íris.

A Fotolia celebra o talento brasileiro com artes gráficas, apresentando a arte da designer de Goiânia Renata Ramos, no cenário internacional

por Redação.

 
A comunidade gráfica mundial e o mundo dos grandes bancos de imagens pararam para conferir o tão esperado resultado do concurso de design gráfico realizado pelo banco de imagens líder da Europa, a Fotolia, que mudaria o rumo da carreira de um designer gráfico de muita sorte e talento.
 
O "Concurso TEN" ofereceu aos designers e artistas gráficos de todos os cantos do mundo, uma oportunidade inédita de desafiar designers e estúdios de renome mundial como o Estúdio Hellohikimori (responsável por projetos de design como The Walking Dead, Glee e True Blood). A ideia era que os designers produzissem suas próprias versões de fotomontagens já criadas pelos conceituados artistas gráficos para o "Projeto TEN" da Fotolia. A sacada? Os participantes tinham que manter o mesmo tema e usar pelo menos três das mesmas imagens utilizadas em sua montagem, utilizando técnicas artisticamente desafiadoras e criando uma obra exclusiva e original demonstrando toda a sua criatividade técnica e habilidade na utilização de recursos artísticos no programa Adobe Photoshop.

12 Girassóis, um tributo a Johanna van Gogh

por Redação.

  

30 obras inéditas de Rorian Guimarães serão expostas de 1º a 8 de novembro na Gallery, do D&D em São Paulo, em homenagem à cunhada do pintor holandês Vincent van Gogh

Um ano após a sua primeira exposição, Rorian Guimarães vai apresentar de 1° a 8 de novembro na Gallery, do shopping D&D da capital paulistana, a mostra de desenhos e pinturas “12 Girassóis, um tributo a Johanna van Gogh”. Com 30 trabalhos em carvão, grafite, pastel seco e pastel óleo, a mostra faz uma homenagem à Johanna van Gogh, cunhada do pintor holandês Vincent van Gogh, e responsável pelo seu reconhecimento no mundo das artes após a sua morte em 1890.

12 Girassóis, um tributo a Johanna van Gogh
 
Data: 1º a 8 de novembro de 2012
 
Local: Gallery - Shopping D&D - Piso Térreo - Av. Nações Unidas, 12.551- São Paulo (SP)

Mais artigos...